Saiba mais sobre a Síndrome Coronariana Aguda com Supra de ST

Tempo de leitura: 3 minutos

Veja como identificar o IAM e os procedimentos necessários no atendimento

IAM

As síndromes coronarianas agudas podem ser classificadas em três, sendo elas: IAM com supra e desnivelamento do segmento ST, IAM sem supra e desnivelamento do segmento ST e angina instável.

A dor torácica é o principal sintoma de IAM, percebida como opressão ou queimação. Pode se localizar no precórdio, dorso, ombros e mandíbula e se irradiar para ombro, dorso, braço esquerdo e pescoço. Além disso, há outros sintomas associados ao IAM, como sudorese, palidez, náuseas, vômitos, taquipnéia/dispnéia, ansiedade, tonteiras, palpitações/taquicardia e cansaço.

“As discussões sobre Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) são de suma importância, uma vez que a maioria dos óbitos decorrentes acontecem nas primeiras horas em que a doença se manifesta. De 40 a 65% dos óbitos ocorrem na primeira hora e cerca de 80% nas primeiras 24 horas. Parte significativa das mortes por IAM acontecem fora do ambiente hospitalar e sem assistência médica” Dr. Jailton Neves.

Identificação de infarto por meio de escores

Em uma escala de 1 a 5, é possível identificar a ocorrência de infarto. Quando o escore total for igual ou acima de 3 pontos, situação na qual há depressão do segmento ST, maior ou igual a 1mm nas derivações V1, V2 e V3, é bem provável que houve infarto. Quando o escore é de 5 pontos, há elevação do segmento ST maior ou igual a 1mm e concordante com o complexo QRS. Quando a pontuação é igual a 2, há elevação do segmento ST maior ou igual a 5mm e discordante do complexo QRS. Casos assim, com escore total abaixo de 3, também pode indicar infarto.

Diagnóstico diferencial

O diagnóstico diferencial é classificado quanto à dor: pericardite aguda, dor pleurítica, embolia pulmonar, dissecção aguda da aorta, articulações costocondrais e condroesternais e espasmo esofageano.

Uso da aspirina em pacientes com
IAM

A aspirina uma grande aliada dos pacientes com
IAM. Por ser antiplaquetária, possui benefício comprovado quanto à utilização no tratamento de infarto agudo do miocárdio com elevação do segmento ST. Além disso, possui efeito aditivo ao fibrinolítico. Em fase de manutenção da saúde do paciente, recomenda-se uma dose de 100 mg de aspirina por dia.

De que forma o eletrocardiograma deve ser registrado?

O eletrocardiograma deve ser registrado de forma seriada. A ocorrência do
IAM com supra assume formas diferentes ao longo do tempo. Nos primeiros minutos, há a aparição de ondas T hiperagudas. Em 30 minutos, há um supradesnível do ponto J e do segmento ST. Em 6 horas, há o surgimento da onda Q. Em 24 horas, há a inversão da onda T. A regressão do supra com desnível do segmento ST, por sua vez, é variável e depende do caminho da artéria. Quanto mais longo ele for, mais tempo demora.

Veja também: Emergências Hipertensivas: definição e cuidados necessários

Classificação de Killip e Kimball

Também conhecido como índice de gravidade de insuficiência cardíaca em pacientes com IAM, possui o objetivo de calcular o risco de mortalidade hospitalar em quatro classificações: I) normal, com taxa de 8% de mortalidade; II) ESC bases (#B3), com 30% de mortalidade; IIi) ESC acima de 50% ou EAP (Edema Pulmonar Agudo), com 44% de mortalidade e IV) Choque cardiogênico, com 80% de mortalidade.

O curso ACLS da Somiti organiza de forma objetiva o atendimento ao paciente grave. Formatado pela American Heart Association (AHA), a maior entidade médica da área cardiológica dos Estados Unidos, o ACLS é seguramente o curso mais importante em todo o mundo para o treinamento do atendimento em emergências cardíacas, ressuscitação e atendimento ao paciente com acidente vascular encefálico.

Para se capacitar acesse o site do nosso centro de treinamento e conheça nossos cursosCom a proposta de capacitar os participantes a salvarem vidas, promovemos cursos a um valor acessível, sem fins lucrativos, apenas para cobrir os custos de realização.

Curta a página da Somiti no Facebook e mantenha-se atualizado em Terapia Intensiva, Urgência e Emergência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *