Emergências Hipertensivas: definição e cuidados necessários

Tempo de leitura: 4 minutos

emergências-hipertensivas

As emergências hipertensivas podem ser definidas como hipertensão grave com sinais de comprometimento de órgãos-alvo ou sistemas (cérebro, sistema cardiovascular e rins).

Nas emergências hipertensivas, proceder a investigação clínica de acordo com o sistema é fundamental. Quando o sistema afetado é o renal, deve-se observar a redução do volume urinário, edema, hematúria e disúria. Deve-se procurar por massas palpáveis e sopros no abdome.

Quando o sistema cardiovascular é afetado, é dever do profissional de saúde se atentar às medidas da pressão arterial, dor torácica, sinais e sintomas de IVE, palpitações, ritmo cardíaco, sopro carotídeo, dispnéia e pulsos periféricos.

Como as Emergências Hipertensivas podem ser classificadas?

Podem ser classificadas de acordo com o órgão-alvo atingido. Há emergências hipertensivas cerebrovasculares como encefalopatia hipertensiva, hemorragia intracerebral, hemorragia subaracnóide e AVE isquêmico; cardiocirculatórias, tais como dissecção aguda da aorta, EAP (Edema Agudo de Pulmão) com insuficiência ventricular esquerda, IAM e angina instável e emergências hipertensivas renais, como a LRA (Lesão Renal Aguda) rapidamente progressiva. Há também as crises adrenérgicas, caracterizadas por hipertensão, taquicardia e sudorese, e crise do FEO.

As Emergências Hipertensivas podem acometer gestantes?

Sim. Além da hipertensão, grávidas podem apresentar eclâmpsia, pré-eclâmpsia grave, síndrome HELLP e hipertensão grave no fim da gestação. A hidralazina, propranolol e anlodipina são medicações seguras durante a gravidez.

Quais fatos devem ser investigados no histórico do paciente com emergência hipertensiva?

Conhecer o histórico do paciente com emergência hipertensiva é fundamental. Os seguintes fatos devem ser investigados: antecedentes de hipertensão e uso de anti-hipertensivos (dose e adesão); a ocorrência de episódios semelhantes ao atual; se o paciente sofre com cardiopatia e nefropatia; o uso de fármacos que interfiram na pressão arterial e uso e abuso de álcool e drogas ilícitas.

Quais são os procedimentos de propedêutica?

O paciente com emergência hipertensiva deve realizar os seguintes exames: hemograma, bioquímica, glicemia capilar, urina, ecg e rx do tórax.

O Nitrop de Sódio pode ser usado em casos de emergências hipertensivas?

O Nitrop de Sódio é indicado na maioria das emergências hipertensivas. No entanto, casos de insuficiências renais e hepáticas e de pressão intracraniana grave demandam uso precavido deste medicamento. Pode provocar efeitos adversos como náuseas, vômitos e intoxicação por cianeto.

Em quais situações o Nitroglicerina é indicado?

É indicado para pacientes com insuficiência coronariana e insuficiência ventricular esquerda. É capaz de provocar efeitos adversos como cefaleia, taquicardia reflexa, taquifilaxia, flushing e meta-hemoglobinemia.

Para quais pacientes o Hidralazina é indicado?

É indicado para pacientes com eclâmpsia. Pode levar à piora da angina e do infarto. O uso deste medicamento exige cuidado especial com a pressão intracraniana elevada. Dentre os efeitos adversos estão taquicardia, cefaléia e vômitos.

O que é Encefalopatia Hipertensiva e como ela pode ser diagnosticada?

Mais comum em pacientes normotensos, caracteriza-se pelo aumento da pressão arterial. Leva a lesão da parede vascular com lesão miointimal, edema e micro-hemorragias difusas.

Nas emergências, observa-se nos pacientes com encefalopatia hipertensiva aumento da pressão arterial com cefaléia, borramento visual, convulsões, vômitos e alteração no nível de consciência.

Nesses casos, o exame fundo de olho pode diagnosticar papiledema (hipertensão maligna).

O tratamento envolve nitroprussiato de sódio, labetalol, hidralazina e IECA. A Clonidina e a Metildopa, por provocarem efeito sedativo e hipotensor, devem ser evitadas.

Quando pensar em AVC?

Se o paciente estiver em coma e/ou apresentar crise convulsiva recorrente, eclâmpsia pós-parto atípica, quadro neurológico súbito, encefalopatia hipertensiva evolutiva e/ou deterioração neurológica rápida, que pode indicar hemorragia, deve-se considerar a ocorrência de um AVC. Diante de casos assim, deve-se solicitar uma tomografia cerebral.

Como identificar Eclâmpsias?

A pré-eclâmpsia é uma síndrome hipertensiva caracterizada pela elevada pressão arterial. Ocorre após a 20a semana de gestação em mulheres previamente normotensas. Já a eclâmpsia é definida por estes mesmos critérios em associação a crises convulsivas.

Veja também: As mudanças na conduta do intensivista nas UTI’s.

Conteúdo ministrado pela vice-presidente da Abramede MG e gestora da Somiti, Maria Aparecida Braga, no módulo ‘Emergências Hipertensivas’ do Cremi (Curso para Residentes e Especializandos em Medicina Intensiva), da Somiti.

Inscreva-se no Cremi. As aulas são gratuitas.

Para se capacitar acesse o site do nosso centro de treinamento e conheça nossos cursosCom a proposta de capacitar os participantes a salvarem vidas, promovemos cursos a um valor acessível, sem fins lucrativos, apenas para cobrir os custos de realização.

Curta a página da Somiti no Facebook e mantenha-se atualizado em Terapia Intensiva, Urgência e Emergência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *